[Resenha] Lucíola

Autor: José de Alencar
Editora: Moderna
ANO: 2004
ISBN:  9788516039660
Saiba maisSkoob
Paginas:  194

Olá pessoal, tudo bom?

Vamos falar de clássicos? Ou melhor, livros considerados assim? Confesso que gosto muito de livros escritos por autores renomados, não por serem considerados assim, mais por já naquela época ter ideias diferentes ao que muitos se pensavam na época.
Mais vamos ao que interessa

Sinopse
Independente e altiva, Lúcia, a mais rica cortesã do Rio de Janeiro, não se deixava prender a nenhum homem. Até conhecer Paulo. A partir daí, ela se vê totalmente entregue; tudo o que quer é permanecer junto dele. Esse romance passa a ser o assunto mais comentado na Corte. Os comentários chegam aos ouvidos de Paulo e o incomodam profundamente. Valeria a pena romper seu relacionamento só para manter a boa imagem diante das pessoas?

Lucíola é um romance escrito em formato de cartas, para uma senhora da alta sociedade. Nelas Paulo explica seu romance com Lúcia, uma jovem de uma beleza diferente, atrativa e a cortesã, vulgo prostituta mais rica, mais bem paga e mais requisitada do Rio de Janeiro. História datada de 1855, Lúcia com então 19 anos, se apaixona por nosso narrador a ponto de deixar tudo por ele. 
José de Alencar é um dos meus romancistas “clássico” favorito e por isso verão mais dele aqui em breve, rsrsrs.  Apesar de o vocabulário ser rebuscado e em determinados momentos é necessário um dicionário, no entanto a história é fluida e para a época.
O livro é fininho e como já disse é bem fluido, no entanto não gostei da Lucia, e hoje posso afirmar isso. Lucia apesar da cortesã mais desejada do Rio de Janeiro, logo que se apaixona ela fica a mercê do nosso narrador, e isso não é spoiler, já que acontece logo no inicio.
Lucia é uma mulher desejada por todos os homens e invejada pelas mulheres, e no decorrer ela conta como entrou nessa vida e nos simpatizamos com ela e com base nisso, pensamos que ela se tornou forte e independente, mais não é isso que percebemos ao decorrer da história e isso me incomodou, pois ela se inicia forte, independente, mais no decorrer da história as coisas mudam e ela fica chata.
Recomendo o livro para uma releitura, pois depois de um tempo nosso vocabulário além de aumentar, conseguimos ler sem muitos obstáculos.  Um livro rápido, escrita criativa.
E você já leu? Abra seu coração e me conte como foi sua leitura.

Até a próxima.


Sobre a autora

José de Alencar (1829-1877) nasceu no sítio Alagadiço Novo, Messejana, Fortaleza, Ceará, no dia 1 de maio de 1829. Filho de José Martiniano de Alencar, senador do império e de Ana Josefina, em 1838 mudou-se com a família para o Rio de Janeiro. Com 10 anos de idade ingressou no Colégio de Instrução Elementar. Com 14 anos foi para São Paulo, onde terminou o curso secundário e ingressou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco.
Foi um romancista, dramaturgo, jornalista, advogado e político brasileiro. Foi um dos maiores representantes da corrente literária indianista. Foi escolhido por Machado de Assis para patrono da Cadeira nº23 da Academia Brasileira de Letras.
Famoso, a ponto de ser aclamado por Machado de Assis como "o chefe da literatura nacional". José de Alencar morreu aos 48 anos no Rio de Janeiro vítima da tuberculose, deixando seis filhos, inclusive Mário de Alencar, que seguiria a carreira de letras do pai.
José de Alencar faleceu no Rio de Janeiro, no dia 12 de dezembro de 1877.


Todas as imagens são do site do Skoob e de arquivo do blog.




[Resenha] Luar de Sangue


             Autor: Dione Mara Souto da Rosa
Editora: Novo Século
ANO: 2013
ISBN: 9788576799191
Saiba maisSkoob
Paginas:  312

Olá pessoal, tudo bom?

Hoje vamos conhecer uma história de sacerdotisas celtas e o que amizade e inveja podem fazer, algo me lembra o que vem acontecendo nos dias de hoje.


Sinopse
Três sacerdotisas celtas impetuosas. Somente uma é guardiã de uma relíquia sagrada. Caminhos que se cruzam perante a traição e a busca pelo poder, acarretando a morte. Destinos que se encontram em tempos futuros, trazendo revelações. Vampiros obcecados, cruéis e temperamentais digladiam-se pela conquista do Condado. Para conquistar o cargo do rei, precisam gerar filhos com sacerdotisas. A paixão de uma das sacerdotisas por um vampiro dá luz à gêmeos, os quais se tornarão vampiros. Mesmo obrigados a respeitar o pacto de territorialidade imposto por sacerdotes druidas, o descumprem e engendram os mais ardilosos planos para deterem o controle dos demais vampiros. Anne, uma heroína sem memória, sofrerá muito. Sem saber quem verdadeiramente personifica, é raptada por um dos gêmeos vampiros. Ela precisará lutar por sua sobrevivência enquanto tenta recuperar sua memória e se livrar do temperamental vampiro.

Lar de sangue começa numa época onde as bruxas eram perseguidas e mortas pela igreja. Não interessando se elas eram boas ou ruins, se adoravam a natureza ou aos demônios. Uma traição leva ao fim de tudo, as bruxas não entendiam o que tinha acontecido e foram torturadas para que as pessoas para que a igreja conseguisse informações de outras bruxas. Com a morte dessas duas bruxas a traidora aparece para buscar o que ela queria, só que a graças a grã-sacerdotisa, não deixa que ela pegue o que tanto deseja e também deixou bem claro que ela irá voltar, mas não fala quando. A outra bruxa que morreu consegue ser ressuscitada pelo seu amor um Vampiro que consegue salvar também os seus bebês.

A história em um pêndulo entre o presente e o passado, mostram as três Bruxas antes da separação e após a mesma e como a vida delas esta atualmente. Contada entre o Brasil na cidade de Curitiba e em diversas países do mundo como França, Áustria e grande parte na Romênia.
Bem escrita, muito criativa, no entanto às vezes ela parece um pouco confusa e em determinados momentos pra mim, foi necessário voltar uma frase ou mesmo um parágrafo para conseguir compreender o contexto que a autora esta tratando. 
A autora conseguiu pegar o enredo da época em que bruxas ou suspeitas de bruxarias eram torturadas e mortas.  Conseguiu unir vários elementos de forma muito interessante, bruxas, vampiros, demônios e mestiços com muita ação.
Como já comentei de vez enquanto as coisas ficam meio confusas na troca de capítulos por tempo ou cidade, dependendo do personagem, o que faz com que tenhamos atenção e acaba deixando a gente é um pouco confuso, mais nada que impeça o entendimento e aproveitamento da leitura.
Recomendo o livro pra quem gosta e curte a temática, mais pra mim apesar de ter gostado, o final me decepcionou já que deixa uma brecha e não encontrei nas minhas pesquisas continuação. Mais contudo eu recomendo livro história é boa,  leve e rápida, foi uma leitura muito tranquilo então continuo recomendando livro para quem gosta de bruxa sacerdotisa demônios vampiros é uma história que vai agradar a todos.

E você já leu? Abra seu coração e me conte como foi sua leitura.

Até a próxima.


Sobre a autora
Dione Mara Souto da Rosa é uma escritora paranaense que escreve com paixão em sua constante busca pela harmonia interna e externa. Apesar de dividir seu tempo entre a advocacia e a literatura, segue firme em seu labor literário produzindo frutos cada vez mais densos.
Apreciadora dos sonetos italianos, dedicou-se bastante à criação da poesia clássica para produzir belos sonetos. Sua obra mais recente, O Segredo da Rosa, mostra como a autora coloca paixão em cada um dos versos que compõe.
Atualmente trabalha em seu novo romance, “Luar de Sangue”, e, embora seja uma obra voltada para o gênero sobrenatur


al, sem dúvida alguma trará as marcas registradas desta encantadora romancista: a paixão e a sensibilidade.











Todas as imagens são do site do Skoob e do arquivo pessoal do blog.


Conhecendo Autores Nacionais #4


Olá pessoal, tudo bom?

Amamos nacionais, todos sabem. Amo diversos pontos, a criatividade, os romances, os temas engraçados e os mais difíceis de lidar.
Hoje vou apesentar para vocês a autora de um dos romances mais lindos que já li, uma sensibilidade incrível e em breve vocês vão ver mais por aqui, que hoje conheceremos mais um pouco e se vocês gostarem só pedir bis aqui nos comentários.

Chega de enrolação e com vocês...

Olá Amanda, tudo bom? É uma honra tê-la como primeira autora de nossas entrevistas.

AB. A honra é toda minha Muito obrigada.
 1 - Fale sobre você, se apresente para quem ainda não te conhece.

AB. Oi pessoal, sou Amanda Bonatti, escritora desde os doze anos, tenho três livros publicados e dois em andamento. Sou formada em Pedagogia e Letras, lecionei durante alguns anos e hoje me dedico apenas à escrita e ao meu trabalho com revisão de textos.

2 - Como a escrita entrou em sua vida? Alguém a influenciou?
AB. Desde a escola eu sempre adorei escrever e ler. Redações de final de semana, gibizinho da Turma da Mônica, contar histórias para os meus primos mais novos; tudo isso sempre me fascinou. Aos doze anos comecei a escrever poemas, e por muito tempo me dediquei a escrever somente este gênero. Depois, passei a escrever contos e mais tarde, romances. Quem me influenciou foram os próprios livros, a vida, os professores, e uma linda biblioteca que tinha na escola.

3 - Bloqueio de escrita, como você contorna?
AB. Dou um tempo mesmo. Não fico forçando algo que não quer fluir. Procuro me distrair com outras coisas, como filmes e músicas, assisto meu seriado na Netflix e tudo certo, uma hora a inspiração volta.

4 - Como sua família lida com sua mente criativa?
AB. Hoje em dia eu acredito que lidam melhor. Por saberem que é isso que eu faço como profissão, eles me apoiam. Minha mãe lê e faz propaganda de todos os meus livros. Meu esposo também compreende quando preciso ficar sozinha para escrever e tenho tias que adoram acompanhar meus livros no Wattpad e programam as viagens para ir à Bienal junto comigo, sempre que vou lançar livros.

5 - Qual o seu livro e autor favorito? Guia-se por eles na escrita dos vossos livros?
AB. Na poesia eu sempre amei ler Pablo Neruda. Conheci eles quando começaram a me dizer que minha escrita lembrava a dele (que honra!). Sou fã! Na literatura brasileira eu gosto muito dos clássicos, acho que já li quase todos! Então acho que minha escrita deve ter um pouquinho de clássico, já me construí enquanto leitora lendo Machado de Assis e principalmente Jose Alencar. Mas minha autora favorita hoje em dia é Charlote Bronte e Jane Austen. Romances de época é onde mora meu coração.

6- Qual sua inspiração para Lagrimas de Outono? E para SOS Mãe de Primeira Viagem?
AB. Para lágrimas de outono, foi porque eu queria criar uma história que falasse sobre fé, e que tivesse a reencarnação como pano de fundo. Eu sou espírita, então guiei-me por este caminho para passar a mensagem do livro. A alma e o amor são eternos. Vivemos, morremos e voltamos a viver. Lágrimas de Outono foi inspirado em uma história real, por isso tem uma grande carga sentimental.

Para S.O.S Mamãe de primeira viagem, deixei minhas experiencias pessoas, durante a gravidez, virem à tona, e criei um livro divertido, cheio de curiosidades e particularidades sobre o mundo materno.

7- Para você qual a importância dos blog e canais literários, para os autores? Você vê algum ponto negativo?
AB. Nossa! Toda a importância. Sem os blogs o trabalho do autor seria muito mais difícil de alcançar resultados. Vocês são maravilhosos no que fazem. Os pontos negativos ainda não me atingiram, mas acredito que a falta de compromisso, repasse de PDF, etc, já ouvi muito falar sobre isso entre o meio. Infelizmente;

8- Qual o gênero que você se lançou? Tem planos de tentar outros gêneros literários ou escrever algo diferente?
 AB. Lancei-me com a poesia em Ah!mar Itajaí. Depois, aventurei-me no Chick-lit Sos Mamãe de primeira viagem, e por último em Lágrimas de Outono (romance espírita). Agora estou focada em terminar “O bosque de Faias”, que é um romance histórico e em seguida vou dar continuidade em outro romance espírita que já iniciei também.

9 – Você tem uma mania que utiliza enquanto escreve? Tipo silencio, com música, de madrugada....
AB. Em silêncio, TV ligada no mudo, pouca luz, estar sozinha no ambiente. De madrugada? ADORO!

10 - Você ainda exerce sua profissão de formação? Como consegue conciliar?
AB. Como pedagoga não. Lecionei durante 7 anos e depois dei um tempo quando tive meu filho. Mas como formada em Letras também, hoje trabalho em casa, revisando textos para autores independentes e para editoras. Concilio o tempo entre revisão e escrita, sempre que sobra um tempinho, vou escrever.

Para terminar, o que você falaria para quem diz não gostar de literatura nacional?


Uau! Sério? Puxa, com certeza suas experiências não foram boas, mas continue tentando, tem muito autor bom aqui no Brasil. Valorize o que é nosso! Tenho certeza que vai encontrar autores e histórias incríveis.

Livros e contos publicados.


Este conto fantástico tem como protagonista um jovem e belo rapaz chamado Ricardo.
Ele que sempre fora tímido, viu em sua entrada na Faculdade como uma porta aberta para reescrever a adolescência marcada pela timidez e a falta de namoradas.
Foi em um tradicional baile de carnaval (século XIX) em que ele planejava encontrar esse amor, mas o que ele viveu foi um encontro com o surpreendente.
Será que Ricardo viverá seu grande amor?



Ah! mar Poesia - Poemasdedicados ao mar

Obra “Ah! Mar Poesia” retrata o mar e as belezas naturais como um cenário vivo, com seus locais, suas cores, sua luz e seu som. Os poemas têm uma relação com o simbólico e o imaginário, onde os componentes da natureza e o diálogo com o mar estão presentes em toda a obra.
O objetivo da obra é ampliar e aprofundar o registro do cotidiano, da cultura e da beleza do mar, do céu, dos elementos naturais e das praias, bem como embevecer o leitor através do encantamento que inunda a nossa alma ao observarmos a beleza do pôr-do-sol na praia, o trabalho árduo do pescador ou a saudade que sentimos ao olhar o céu numa noite estrelada à beira mar.
Sinta o encantamento que inunda a nossa alma ao observarmos a beleza do pôr-do-sol na praia, o trabalho árduo do pescador ou a saudade que sentimos ao olhar o céu numa noite estrelada à beira mar.


 O Voo Negro

Conto de terror e suspense.


Lenda Urbana de dar calafrios!
 





          O que vem pela frente após a confirmação com as duas “listrinhas” cor de rosa ou a palavra “Positiva” em um exame de gravidez surpreende e quase sempre gera um turbilhão de sentimentos e dúvidas.
Estar grávida é viver uma aventura mágica de transformação, com choros, alegrias e emoções à flor da pele. É uma aventura que leva à aprendizagem do significado do amor incondicional, iniciando no momento da descoberta da gravidez, passando pelo nascimento e estendendo-se por toda a vida.
Embarque nesta leitura e descubra ou reviva a delícia e a comédia que é ser mamãe de primeira viagem.




Isabel vivia uma infância feliz e cercada de carinho da família. Muito apegada à sua mãe Elisa, que a ensinou a amar as flores e a cultivar o mesmo apreço que tinha pelo jardim da casa onde ambas nasceram.
A menina cresceu apaixonada pelas flores, árvores e o encanto presente naquele lugar, que era a representação do amor que uniam mãe e filha.
No entanto Bel precisou aprender a lidar com perdas desde muito nova, vivendo momentos difíceis para uma criança. Depois de perder a mãe e também alguns anos da infância a menininha cresce e torna-se uma jovem insegura e temerosa em ter mais perdas e sofrimento em sua vida.
Ela conhece Joaquim e juntos traçam uma história de amor e superação, com mais algumas perdas, dificuldades, lições e recomeços.
Isabel precisará passar por um caminho de provações que a levará a aprender a confiar nos planos de Deus, trilhando um caminho de aprendizado, compreendendo as etapas da vida, para assim, entender que os laços de amor são muito fortes e nos acompanham eternamente.

Redes sociais




Arquivos

Nuvem de tags

Blogumulus by Roy Tanck and Amanda Fazani

Comentários recentes